Personagens lésbicas na TV norte-americana chegam a número recorde

Enquanto a novela “Babilônia”, da Rede Globo, vem sendo alvo de protestos por conta do casal de lésbicas interpretado pelas atrizes Fernanda Montenegro e Nathalia Timberg, nos Estados Unidos as personagens lésbicas se expandem dentro das tramas de seriados e sitcoms da TV aberta e a cabo. No momento, mulheres lésbicas aparecem em mais de uma dúzia de programas.

Elas são advogadas, policiais, presidiárias, donas de casa, secretárias, DJs e médicas. Na quarta-feira, dia 1, mais um programa com uma personagem lésbica foi lançado. Trata-se de “Younger”, do canal TV Land, que tem produção-executiva de Darren Starr, o criador de “Sex and the City”. 

Hoje, na TV, mulheres homossexuais são tão presentes quanto homens. Elas estão em "Grey's Anatomy", "Glee", "The Good Wife" (foto acima), "Ray Donovan","Orange Is the New Black" e "House of Cards", entre outras.
  
Debi Mazar (de camisa branca) interpreta uma lésbica cinquentona no seriado “Younger”, produzido por Darren Starr, o criador de ‘Sex and the City”, e estrelado por Sutton Foster (sentada). No elenco também estão Hillary Duff (de jaqueta amarela) e Miriam Shor (de braços cruzados).

Uma semana antes, a NBC exibiu "One Big Happy", produzida pela apresentadora Ellen DeGeneres. É a primeira vez que um canal aberto nos EUA tem uma protagonista lésbica desde o fim de "Ellen" (1998) com DeGeneres. Na trama, Elisha Cuthbert vive a lésbica que decide engravidar de seu melhor amigo (Nick Zano). Só que, ao mesmo tempo, ele se apaixona e resolve se casar com uma gostosa que conheceu num bar (Kelly Brook).

A modelo AzMarie Livingston interpreta uma DJ gay na série revelacão do ano, “Empire”

As atrizes Teri Polo e Sherri Saum fazem um casal gay no sitcom “The Fosters”, da rede ABC Family

A atriz inglesa Archie Panjabi interpreta duas bissexuais na TV: no seriado “The Good Wife”, da rede CBS, e na série inglesa “The Fall”, do Netflix.

Jessica Capshaw e Sara Ramizez, de “Grey’s Anatomy” interpretam médicas que vivem um relacionamento complicado


Zoie Palmer e Anna Silk no seriado canadense “Lost Girl”, da rede SyFy.

3 comentários:

  1. Essa propaganda maciça do gayzismo já encheu o saco...

    ResponderExcluir
  2. Não sei se tem tanto gay assim no mundo, tem bastante pobre, negro, trabalhador que levata de madrugada pra trabalhar, gente que não consegue emagrecer, issae a globo não mostra

    ResponderExcluir
  3. Claro que a globo mostra, vc que só enxerga aquilo que quer ver. Ou você nunca assistiu a uma novela ou seriado na globo, com negros, pobres, gordos...fala sério, vai arrumar o que fazer ao invés de vir aqui com argumentos fracos, a fim de mascarar o seu preconceito ridículo!

    ResponderExcluir